Retorna a capa

Canoas Jazz
Programação
Locais dos shows
Participantes
Edições anteriores
Contato


Imprensa

Faça contato com a assessoria do evento, baixe o release oficial do 3º Canoas Jazz e as fotos do principais participantes do evento.

Mais informações


Locais

O 3º Canoas Jazz acontece na cidade de Canoas. Os pockets shows estarão sendo apresentados nas estações de trem de Canoas. Os principais shows seráo realizados ao ar livre no parque Getúlio Vargas (Capão do Corvo). Veja os mapas de localização.

Mais informações


Participantes

PARQUE GETÚLIO VARGAS (CAPÃO DO CORVO)

À Deriva
Formado por Beto Sporleder, Daniel Muller, Rui Barossi e Guilherme Marques, o quarteto À Deriva apresenta músicas instrumentais com dinamismo e consistência. O seu 4º CD, “Móblie”, reflete a busca do quarteto por caminhos novos para sua música instrumental autoral, com ênfase na improvisação e na interação livre entre os integrantes. O grupo lançou simultaneamente o disco “De senhores, baronesas, botos, urubus, cabritos e ovelhas” em parceria com o violinista Cau Karam.

Alegre Corrêa
Natural de Passo Fundo, Alegre Corrêa é violonista, cantor, percussionista e compositor. Em 2010, recebeu o prêmio mais importante de sua carreira, o GRAMMY AWARDS, como guitarrista do disco 75, de Joe Zawinul & The Zawinul Syndicate (Heads Up International), na categoria “Melhor Álbum de Jazz Contemporâneo”. Já realizou diversas turnês pela Europa, tocando em importantes lugares e mais de nove países diferentes. Atualmente, Alegre Corrêa passa a maior parte do tempo realizando oficinas e shows na Europa, mas reserva sempre alguns meses do ano para trabalhos no Brasil, onde oferece uma oficina de criação e filosofia musical com seu quarteto. Tem no seu currículo diversos prêmios, entre eles o “Austrian Hans Koller Award”, prêmio máximo da música instrumental na Áustria. No seu segundo CD, “Negro Coração”, faz parceria com o lendário Hermeto Pascoal.

Brothers Orchestra
THE BROTHERS ORCHESTRA é a big band porto-alegrense que iniciou em setembro de 2010 pela iniciativa do trompetista Alex Prinz (Anjinho). Com versatilidade que se ajusta a qualquer tipo de evento, seu repertório musical possui músicas para todos os gostos, desde clássicos do jazz, passando pelas brasileiras de Tom Jobim, Ari Barroso e também pelas versões turbinadas de Stevie Wonder, James Brown e Michael Jackson, tudo isso em arranjos primorosos para essa formação. No palco, são vinte músicos divididos em naipes de trompetes, saxofones e trombones, além de bateria, piano, guitarra, baixo e percussão. O repertório apresenta clássicos do jazz, sambas e choros brasileiros, trilhas de cinema e ainda algo do pop internacional.

Egberto Gismonti
Virtuoso da música experimental, Egberto Gismonti tem uma longa carreira musical como arranjador, cantor, compositor e multinstrumentista. Já explorou diversas avenidas da música, sempre imprimindo o seu interesse pessoal. Estudou piano desde os seis anos e em 1968, estudou música dodecafônica na França com Jean Baraqué e análise musical com Nadia Boulanger. Trabalhou com a cantora Maysa, que chegou a gravar duas canções de sua autoria, e já gravou diversos discos por gravadoras da Europa.

Joyce Moreno
Nascida no Rio de Janeiro, a cantora, compositora, arranjadora e instrumentista,
Joyce Moreno tem em sua bagagem uma extensa discografia e cerca de 400 gravações de músicas suas por alguns dos maiores nomes da música popular brasileira, como Elis Regina, Maria Bethania, Gal Costa, Milton Nascimento, Ney Matogrosso, Edu Lobo, Emilio Santiago e Zizi Possi. Na área internacional, tem sido gravada por nomes de peso como Annie Lennox, Wallace Roney, Omara Portuondo, Black Eyed Peas, David Sanchez, Jon Lucien, Claus Ogerman, Gerry Mulligan, Till Brönner, Flora Purim e outros mais. Suas composições também já fazem parte de trilhas sonoras de filmes, animações, programas de TV e espetáculos teatrais. Sua marca registrada foi, desde o início da carreira, a linguagem feminina na 1ª pessoa, no que foi pioneira: foi a primeira compositora brasileira a se expressar desta forma na história da MPB, abrindo caminho para um sem-número de outras criadoras que viriam depois. Recebeu quatro indicações ao Grammy Latino e tem até o momento 34 CDs e 2 DVDs individuais, além de compilacões e participações. Atualmente, seu trabalho segue também trilha internacional, com turnês mundiais a cada ano e gravações de novos discos em diferentes países.

Kiko Freitas Trio
Três grandes artistas que se completam através da criatividade, competência, liberdade e do imenso prazer em fazer da música o elo para um mundo melhor. O Trio, composto por Kiko Freitas, Paulo Russo e Rafael Vernet, tem se apresentado em Festivais e Casas de Jazz, tocando a alma de todos os presentes com sua música. Eles utilizam a linguagem jazzística para criar atmosferas únicas em temas próprios ou standards. No repertório, composições próprias e de compositores como: Victor Assis Brasil, Antônio Carlos Jobim, Victor Young, Miles Davis, Gilson Peranzetta, Chico Buarque, Villa Lobos, Alberto Chimelli, entre outros.


Luizinho Santos
Luizinho Santos é um dos raros instrumentistas de sua geração, que executa, além de Flauta Transversal e Piccolo, os quatro “tipos” de Saxofones: Soprano, Alto, Tenor e Barítono. Sua maturidade como músico, pode ser comprovada não apenas nas apresentações públicas, mas na sua participação em gravações de outros artistas, demonstrando sua versatilidade e atuação nos diversos gêneros musicais. Seu primeiro CD, “Encontro dos Ventos” (1999), teve três indicações ao Prêmio Açorianos: CD Instrumental, Instrumentista na categoria sopros e na categoria de arranjos. O disco levou os prêmios de melhor instrumentista e melhor CD instrumental. Após algumas experiências com diversas formações, Luizinho encontrou seu ideal de sonoridade formando, em 2003, o "Luizinho Santos Octeto". O conjunto expressa sua criatividade através de um repertório selecionado unindo as linguagens do samba, choro e jazz. O grupo tem em seu acervo a participação de vários arranjadores proporcionando um panorama rico da música contemporânea instrumental, sempre com muita improvisação e habilidade

Paulinho Cardoso
Paulinho Cardoso tem atuação expressiva dentro do cenário musical rio-grandense, participando de vários festivais importantes como compositor e instrumentista. Foi premiado em importantes festivais de música como o III Festival Instrumental de Guarulhos e Musicanto de Santa Rosa. Paulinho lançou em 2010 seu primeiro CD instrumental, “SUL”, gravado ao vivo no teatro da Reitoria da UFRGS que foi indicado para o Prêmio Açorianos de música como melhor CD daquele ano. O músico, que mora em Porto Alegre, também é formado em Licenciatura em música pela Faculdade Metodista de Porto Alegre.

Paulinho Fagundes
O guitarrista Paulinho Fagundes conquistou quatro prêmios Açorianos na edição 2010 tendo sido indicado a sete estatuetas. Além disso, já havia ganhado na categoria Instrumentista de MPB no ano anterior, totalizando oito indicações e cinco troféus. O música já mostrou seu trabalho em diversas cidades da América Latina, Europa, Cuba e Honk Kong.

Ravi Coltrane
Ravi Coltrane é filho do legendário saxofonista John Coltrane e da pianista de jazz Alice Coltrane. Criado em Los Angeles, seu nome é uma homenagem ao grande sitarista Ravi Shankar. Em 1986, Ravi estudou saxofone no California Institute of the Arts. Em 1997 gravou seu primeiro álbum, Moving Pictures. O segundo , From the Round Box, saiu em 2000. Em janeiro de 2005, Ravi Coltrane tocou na Índia, como integrante da delegação americana de músicos de jazz, em um tour para promover a prevenção da AIDS, juntamente com o cantor Al Jarreau, o guitarrista Earl Klugh e o pianista George Duke. Em 18 de janeiro, Ravi Coltrane interrompeu a tournée para tocar no Ravi Shankar Centre, onde encontrou Shankar, e tocaram juntos. O Coltrane Quartet tocou no legendário Monterey Jazz Festival 2001, Montreux Jazz Festival 2004, Newport Jazz Festival 2004 e no Vienne Jazz Festival 2005, entre outros eventos.

Sandro Albert
O guitarrista e compositor gaúcho Sandro Albert vive nos Estados Unidos há 16 anos, onde já gravou quatro CDs autorais. Depois de tocar com a banda WAR, ele tem se dedicado exclusivamente a sua carreira solo e a aparições como convidado especial em discos de outros artistas no cenério R&B, Brazilian Jazz and Jazz americano. Sandro tocou e gravou com grandes nomes da música brasileira e americana, entre eles Milton Nascimento, Kenny Garrett, Dionne Warwick, Russell Ferrante, Peter Erskine. Também foi professor no Musician’s Institute – GIT, em Hollywood, na Califórnia. Recentemente o Sandro Albert Quartet fez uma tour de 12 shows na Alemanha e Áustria nos melhores Clubs de Jazz e em Junho grava seu primeiro disco com uma Big Band, sendo esta formada por professores do Conservatório Brasileiro de Musica de Tatuí.


CIRCUITO DAS ESTAÇÕES (ESTAÇÕES DO TRENSURB)

Grupo Vocal FAE
O grupo vocal FAE (Faculdades Equipe de Sapucaia do Sul) foi criado em julho de 2010 a partir da intenção da diretoria de fomentar a cultura na instituição e na comunidade sapucaiense. Este jovem grupo tem por objetivo, através da arte do canto coral, a construção de valores de consciência, ética, moral, social e espiritual do ser humano. O grupo vocal FAE conta com a regência do maestro Tiago Hoerlle, que é formado em regência coral pela UFRGS.

Jorginho do Trompete
Músico da Banda Municipal de Porto Alegre desde 1999, Jorginho do Trompete foi premiado com o Troféu Açorianos de Música, como melhor instrumentista, nos anos de 1992, 1993, 1994, 1995 e 1996. No Festival Moenda da Canção, realizado em Santo Antônio da Patrulha, foi consagrado como melhor instrumentista. Participou de Festivais de Verão, na França, nos anos de 1996, 1997 e 1998. Já fez turnês pela Itália e participou do Festival Internacional de Jazz "La Pataia", em Punta Del Este, no Uruguai. Jorginho atuou vários anos como músico de bandas de samba, swing e samba rock, tendo a oportunidade de acompanhar músicos como Branca di Neve; Bebeto; Dhema; Reinaldo e tantos outros.

Max Show Band
Liderada pelo músico trombonista e regente Max Villalba, a Max Show Band tem como fonte inspiradora de seu repertório, os grandes clássicos das grandes Big Bands americanas, passando pelo jazz, blues, dixeland, soul e o melhor da MPB brasileira. O grupo trabalha junto há mais de cinco anos, participando de eventos musicais, festas temáticas, bailes, concertos e cerimônias especiais. O líder do grupo traz como experiência musical graduação em música e a experiência de tocar em renomadas orquestras, como a Orquestra Filarmônica da PUC (Porto Alegre/RS) e Banda Municipal de Porto Alegre. Como regente, Max Villalba também é regente da Orquestra de Sopros do Colégio Ulbra Cristo Redentor e das Bandas Municipais de Lindolfo Collor e Sapucaia do Sul. Em 2010, o grupo foi base na formação da Orquestra de Sopros da Fundação Cultural de Canoas e no em 2011, se apresentaram no Canoas Jazz Mercosul.

Samuca do Acordeon
Samuca do Acordeon é um dos mais notórios acordeonistas da nova geração de músicos do Rio Grande do Sul. Em um estado no qual o acordeon possui importante e influente papel em sua música nativista e tradicionalista, Samuca extrapola essa forte tradição e faz de seu instrumento protagonista de um outro gênero musical, o choro. Em seu dvd “Fala agora” Samuca aborda este antigo estilo musical, em uma linguagem contemporânea, com instrumentos elétricos e amplificados (bateria, contrabaixo e teclado), passeando também pelo jazz, tango, bossa-nova, chamamé, milonga e samba.

 

Ouça a Rádio canoas OnLine