Retrospectiva 2018

Usina de reciclagem, alagamento zero na Mathias e muito mais: os avanços estruturais de Canoas em 2018

Construções, reformas, revitalizações e manutenções. Esse foi o mantra de Canoas ao longo de 2018. Em um período de muitos avanços na infraestrutura urbana, a Prefeitura fechou o ano com o lançamento de um projeto ambiental que será um marco para o município.

Em dezembro, foi lançado o edital para a contratação de empresa que irá fazer a gestão integrada de manejo dos resíduos da construção civil de Canoas. Trata-se de um programa completo de coleta, triagem e beneficiamento de diversos tipos de resíduos. Inédito no Rio Grande do Sul, o projeto inclui a construção de uma usina de reciclagem que irá transformar os resíduos em insumos – pedra, areia e brita – para uso em obras do município. A empresa irá beneficiar cerca de 15 mil m³ de resíduos por mês.

Com previsão de início da operação em 2019, a usina será construída em uma área de cinco hectares no Parque Industrial Jorge Lanner, em terreno cedido pelo município. Os custos para construção do complexo e a aquisição de máquinas e equipamentos para o funcionamento da usina ficarão por conta da empresa vencedora da licitação. O valor total estimado para viabilizar o empreendimento é de R$ 6 milhões.

De acordo o prefeito, Luiz Carlos Busato, a instalação da usina de reciclagem é uma conquista histórica em termos de sustentabilidade ambiental para o município. “Com o beneficiamento dos materiais que hoje não têm uma utilidade para a cidade, teremos a produção de insumos para nossas obras de infraestrutura. Isso significa que, além do benefício ambiental, fruto da reciclagem dos resíduos sólidos, iremos gerar uma economia significativa na compra de matéria-prima para o município. O projeto está 100% alinhado ao nosso Plano Municipal de Gestão de Resíduos da Construção Civil, aprovado pela nossa gestão em setembro deste ano”, analisa Busato.

O serviço prestado pela usina irá além do processo de reciclagem. A empresa vencedora da licitação terá a missão de disponibilizar duas caixas estacionárias (recipientes para recolher lixo) nos pontos mais críticos de descarte irregular de lixo em Canoas. Dispostos de sinalização adequada, os recipientes serão recolhidos a cada dois dias e levados até a usina para o devido destino sustentável. A empresa responsável pela usina também fará o recolhimento de resíduos nos cinco Ecopontos de Canoas. Hoje, esses pontos de coleta de lixo recebem 2.500 m³ de descarte regular.

Eliminação de 88 pontos de concentração irregular de lixo

As ações de recolhimento de lixo foram intensificadas em 2018. O trabalho resultou na eliminação de 88 pontos irregulares de descarte de lixo no município. O número representa uma redução de 78% no número de pontos da cidade, que acumulavam resíduos despejados de forma ilegal.

Em janeiro do ano passado, a Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (SMSU) havia mapeado a existência de 130 locais onde eram deixados diversos tipos de resíduos sólidos, como restos de obra e até mesmo móveis domiciliares, como sofás e armários. Atualmente, esse número caiu para 42. Somente neste ano, foram recolhidos mais de 12.000 m³ de lixo descartado de forma irregular.

Com a instalação da usina de reciclagem e beneficiamento de resíduos sólidos, a cidade irá eliminar 100% dos pontos críticos de acúmulo de lixo.

“Descartar lixo na rua de forma irregular é um crime que deve ser combatido pelo município. Além de punir os infratores, algo que deve ser feito, nosso trabalho tem a função de conscientizar as pessoas do prejuízo que esses descartes de lixo na rua causam para a cidade. São malefícios ambientais e financeiros, já que a Prefeitura lança mão de recursos próprios para realizar o recolhimento desses resíduos jogador de forma ilegal na rua”, afirma o secretário de Serviços Urbanos de Canoas, Paulo Osório.

Obras: o fim dos alagamentos no Mathias Velho

Um velho problema do bairro Mathias Velho chegou ao fim. Após a inauguração da Casa de Bombas 8, em setembro de 2017, e o trabalho permanente de manutenção da limpeza de rede de escoamento, algo que não era realizado há 30 anos, os moradores do bairro não enfrentam mais as cheias que eram recorrentes em dias de chuva. E quem confirma essa mudança de perspectiva são os próprios moradores e comerciantes da região.

Antes da Prefeitura solucionar o problema, Eduardo Perinotti, morador de uma rua próxima à avenida Rio Grande do Sul, havia perdido todos os móveis de casa em quatro ocasiões. Em uma das cheias, que ocorreu após um temporal durante a madrugada, ele conta que, quando acordou pela manhã, a água estava na altura da perna. “Entrei em desespero”, lembra ele. Nas vezes em que teve os utensílios domésticos destruídos, Perinotti somou um prejuízo de mais de R$ 10 mil.

Há cerca de um ano, segundo ele, os problemas de alagamento acabaram. “Nunca mais tivemos problema. Quando chove, ninguém se preocupa. Infelizmente, tive que me mudar por causa dos alagamentos naquela época. Perdi muito dinheiro. Mas ainda frequento o bairro e todos falam que o problema foi solucionado”, conta.

Perinotti e os moradores da Mathias Velho tiveram mais notícias boas em 2018. Em novembro, foi assinada a Ordem de Início de Serviço (OIS) das obras do revestimento do trecho final da vala da rua Curitiba. Com chapas de concreto pré-moldado, os 1,3 mil metros da vala que ainda não foram revestidos serão finalizados. O prazo de execução da obra, que terá investimento de R$ 1,7 milhão, é de 18 meses.

A obra vai beneficiar diretamente cerca de 60 mil famílias que vivem na região. Neste ano, foi concluído o revestimento da outra extensão da vala, que compreende 2,7 mil metros. Nos dois trechos, divididos pela Casa de Bombas 7, os moldes de concreto foram projetados de forma que o canal possa ser acessado com facilidade para a realização de limpeza.

Nova malha viária em Canoas

Em 2018, os trabalhos de revitalização das ruas foram um dos carros-chefe da Secretaria Municipal de Obras (SMO). As melhorias foram implementadas com base no Plano de Recuperação Viária da cidade, trabalho realizado em 2017 que mapeou 115 km de vias com necessidade de melhorias – parte desse diagnóstico, inclusive, já foi concluído. Um exemplo são as obras de revitalização da avenida Açucena, que iniciaram em julho, no trecho que compreende a rotatória da avenida Sezefredo Azambuja Vieira até a avenida Santos Ferreira.

No bairro Fátima, as melhorias correspondem a um investimento de R$ 1,7 milhão em obras de recuperação asfáltica e revitalização das vias do bairro. Neste ano, também foi iniciada e obra de alargamento da Santos Ferreira, trabalho que tem como objetivo seguir as orientações previstas no Plano Diretor do município. A adequação prevê o alargamento de 4 metros em uma extensão de 120 metros.

Mais duas importantes avenidas de Canoas terão revitalização asfáltica em breve. Já foram assinados os
contratos de execução do serviço de um trecho da Nazário, no Guajuviras, e de toda a extensão da Bartolomeu de Gusmão, no Fátima. O investimento de R$ 1,5 milhão é oriundo de emenda individual conquistada pelo atual prefeito, Luiz Carlos Busato, quando ainda era deputado federal. Na Nazário (no trecho entre a Boqueirão e o acesso à PECAN), a recuperação compreende 860 metros. Já na Bartolomeu de Gusmão, a extensão é de 1,5 km. Juntas, as obras irão revitalizar uma área de 20 mil m².

Acolhimento humanitário em Canoas auxilia centenas de pessoas e atuação é destaque no desenvolvimento social em 2018

Há três meses em Canoas, a venezuelana Yurubi Guzman, de 36 anos, não esconde a gratidão de ter sido recebida na cidade. “A vida na Venezuela estava difícil. As ruas estavam vazias, não tinha comida no supermercado. Fui muito bem acolhida em Canoas, sou muito grata à ajuda que recebemos”. Mas Yurubi ainda tem um outro sonho: trazer seus três filhos, que ficaram na Venezuela, para morar com ela e com o marido.

Mesmo com pouco tempo na cidade, Yurubi e o marido já estão trabalhando e se sentem adaptados à nova vida. Canoas, entretanto, não foi o recomeço apenas para Yurubi. Outros 305 venezuelanos também encontraram no município um motivo de esperança, através do Programa de Interiorização de Refugiados do Governo Federal. Destes, 291, entre crianças, adolescentes e adultos, seguem em Canoas, vivendo em dois Centros Temporários de Acolhimento (CTAs) da cidade, alugados pela ONU.

Após o período inicial de acolhimento, assistência e avaliação de saúde, o foco da Prefeitura de Canoas foi o encaminhamento dos venezuelanos ao mercado de trabalho. Atualmente, a maioria dos adultos já está empregada, e muitos já estão deixando o CTA para morar em sua própria casa.

Os recursos destinados pelo Governo Federal e demais questões que envolvem a integração e adaptação dos imigrantes venezuelanos na cidade têm gestão compartilhada entre o poder público municipal, através da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social (SMDS), e a Fundação La Salle. Entre os projetos previstos para o próximo ano, estão aulas de língua portuguesa e cursos profissionalizantes para o mercado de trabalho, como manicure, empreendedorismo, culinária, entre outros.

Além do Programa de Interiorização, o ano de 2018 também ficou marcado por outros projetos e ações voltados ao desenvolvimento social.

Desde 2017, mais de mil famílias já realizaram o sonho da casa própria em Canoas

Graças ao trabalho eficiente da Prefeitura de Canoas, através da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Habitação (SMDUH), para acelerar os trâmites contratuais da política de habitação social do Governo Federal, mais de mil famílias já realizaram o sonho da casa própria no município. Apenas em 2018, foram 536 residências populares entregues a famílias de baixa renda, enquadradas dentro do programa Minha Casa, Minha Vida. A entrega dessas residências é um marco na política de redução do déficit habitacional no município.

Atualmente, há dois empreendimentos ainda em construção na cidade, os residenciais Pistóia e Santa Fé, nos bairros Fátima e Olaria, que vão contemplar mais 500 famílias. A previsão de entrega para ambos é em um prazo de 18 meses. Além disso, ainda está em licitação a Concorrência Pública do remanescente da infraestrutura do Loteamento Canoas Minha Terra II, permitindo, assim, a construção de mais 33 casas, através do Programa Minha Casa, Minha Vida, sendo possível concluir o reassentamento das famílias que ocupavam áreas na BR-448.

Impacto transformador em mais de 28 mil canoenses

Em novembro de 2018, a Prefeitura de Canoas realizou uma reforma administrativa. Um dos principais avanços foi a criação da Secretaria Municipal dos Direitos Humanos e Participação Social (SMDHPS), que integra diretorias voltadas a diferentes segmentos sociais, tais como: Diretoria da Criança e do Adolescente, que também foi criada a partir da reforma administrativa; Diretoria de Igualdade Racial e Imigrantes; da Pessoa com Deficiência; de Política das Diversidades e Comunidades Tradicionais; Diretoria da Pessoa Idosa; Juventude; e Diretoria de Políticas para as Mulheres.

Com foco no exercício dos direitos humanos, durante o ano de 2018, as diretorias realizaram mais de 50 atividades no município, entre fóruns, seminários, eventos de conscientização, mostras culturais, atividades esportivas e outros eventos, que atingiram mais de 28 mil canoenses e mobilizaram 415 voluntários. Dentre a programação, destacam-se as semanas temáticas, como a Semana da Consciência Negra, Semana da Diversidade, Semana da Juventude e a Semana da Pessoa com Deficiência, que englobam diversas ações contra a discriminação e o preconceito, valorizando a inserção social e os direitos humanos.

Desenvolvimento social aliado ao meio ambiente

O município de Canoas vem se destacando por projeto interdisciplinares, como o Canoas Sem Carroças, que alia bem-estar animal, meio ambiente, trânsito e desenvolvimento social.

O Projeto, implantado em junho, prevê a diminuição gradativa da circulação de veículos de tração animal. No Centro, as carroças foram substituídas pelas bicicletas ecológicas, chamadas de Bikecos. Até o momento, aproximadamente 200 toneladas de materiais recicláveis já foram recolhidas, como papelão, plástico, pet, latinhas, entre outros. Os dados ainda apontam que, no período, foram realizadas quatro blitze educativas para conscientizar os canoenses sobre o programa.

Atualmente, 10 bicicletas ecológicas, acopladas a gaiolas, onde são armazenados os resíduos recicláveis, estão em atividade no município. A Cooperativa de Catadores de Materiais Recicláveis de Canoas (Coopcamate) conta com 14 recicladores cooperados.

Além dos números, o programa também tem alcançado grande impacto social. Os recicladores Simeão Cardozo Rodrigues e Antônio Gabriel da Fonseca Garcia foram dois dos contemplados com a oportunidade de trabalhar na cooperativa. “Antes, eu vendia bala na rua e, quando tinha um tempo, fazia reciclagem. Agora, consigo sustentar toda a minha família com o Bikeco”, comenta Simeão, que tem quatro filhos.

Já Antônio Gabriel, pai de dois filhos, estava desempregado e comemora a oportunidade de trabalhar com o Bikeco: “Para mim, a reciclagem é uma profissão, é o meu sustento e a minha responsabilidade diária. Sei que moradores e comerciantes já estão esperando que eu passe para pegar o material. Antes, as pessoas deixavam os resíduos recicláveis nas calçadas, agora já esperam a gente chegar para entregar, isso ajuda muito também na aparência da cidade, deixa nossa Canoas mais bonita”.

O projeto foi ampliado para o bairro Marechal Rondon em dezembro, com o objetivo de atender a uma lei que determina que, no prazo de dois anos, todas as carroças de tração animal devem ser proibidas no município.

Além do Bikeco, as ações de ampliação da coleta seletiva em condomínios e empresas obteve um excelente resultado no ano de 2018. Houve um salto de 36 para 68 pontos de coleta, organizados coletivamente.

Esse resultado foi obtido através da ação de divulgação realizada em parceria com as cooperativas de catadores, bem como, com a realização de palestras e ações de conscientização oferecidas pela Diretoria de Coleta Seletiva, da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (SMMA).

Preocupação com os animais de Canoas

Apenas sete meses se passaram desde a reinauguração do Centro de Bem-Estar Animal de Canoas (CBEA), e os resultados dos trabalhos já surpreendem. Neste período, foram mais de mil castrações, 1843 atendimentos clínicos e 258 atendimentos de emergência. O serviço de qualidade ao canoense e aos animais albergados só é possível graças à reforma realizada pela atual gestão em toda a infraestrutura do CBEA, com o investimento de R$ 407 mil nas obras.

Com diversas feiras de adoção durante o ano, que aconteceram tanto no CBEA quanto em parques do município, ao todo, 68 animais ganharam um novo lar, sendo 46 cães, 15 gatos e sete cavalos adotados.

Já o Zoológico Municipal de Canoas, que possui nova gestão desde maio deste ano, também passou por uma série de melhorias. Durante o ano, o Mini Zoo recebeu um total de 420 animais, maioria de aves, mamíferos e répteis, e um total de 121 atendimentos à comunidade, como resgates de fauna in loco.

O Mini Zoo conseguiu devolver à natureza 136 animais, e outros 71 permanecem aguardando no setor de triagem, pois ainda estão em tratamento ou aguardando destinação. Os animais que fazem parte do plantel do Zoológico de Canoas totalizam 168, de 97 espécies.

O Mini Zoo realizou 25 visitas guiadas e palestras para escolas, atingindo, aproximadamente, 729 alunos da rede pública e privada, de Canoas e de municípios vizinhos. Além disso, aconteceram quatro Colóquios Silvestre, com abordagem de temas relacionados aos animais silvestres com técnicos renomados da área, e um Encontro Técnico com alunos da Universidade da Região da Campanha (URCAMP) e do Grupo de Estudos de Animais Silvestres (GEAS), ambos do município de Bagé.

Conscientização ambiental mobilizou mais de 10 mil canoenses

Outro foco da Prefeitura de Canoas, através da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (SMMA), é a conscientização ambiental. Entre palestras, oficinas e mostras culturais, mais de 10 mil canoenses foram mobilizados. Entre as atividades, destaca-se a palestra de Sustentabilidade e Alterações Climáticas, realizada em parceria com o Greenpeace, que atingiu 3 mil pessoas, entre estudantes da rede pública municipal de ensino.

Em 2018, Prefeitura qualifica a educação e proporciona mais cultura, esporte e lazer ao canoense

Criar opções de lazer para os canoenses viverem com mais qualidade de vida e com acesso a uma educação de qualidade foi um dos grandes objetivos da administração municipal na construção de uma Canoas mais humana. Durante todo o ano de 2018, foram inúmeras ações nas áreas do esporte, do lazer, da cultura e da educação. As secretarias responsáveis trabalharam em conjunto, a fim de propiciar um efetivo crescimento sociocultural ao município. E o resultado das ações e projetos executados nesses últimos 12 meses é visivelmente notado por toda a população.

Um exemplo deste trabalho em conjunto é o sucesso do projeto Talentos do Esporte, ideia que nasceu no coração do prefeito Luiz Carlos Busato e foi executada pela Secretaria Municipal de Esporte e Lazer (SMEL). Como a maioria do público-alvo está em idade escolar, a Secretaria Municipal da Educação (SME) se tornou uma grande parceira para garantir o sucesso do Talentos. Foram seis meses de trabalho, começando pelas peneiras, que contaram com 489 participantes, sendo 260 selecionados para seis modalidade – basquete, handebol, vôlei, taekwondo, ginástica artística e rítmica. Com treinamentos duas vezes por semana, os futuros atletas desenvolveram suas potencialidades e evoluíram na condição técnica. A SME, além de auxiliar no contato com os alunos da rede municipal, disponibilizou os ônibus para o transporte dos estudantes até os locais de treino.

Para Maurício de Moraes, de 16 anos, estudante da Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Arthur Oscar Jochims e um dos participantes do Talentos, a evolução das suas habilidades na ginástica é visível. “Comecei a treinar na escola graças ao professor José. Quando ele veio para o 
Talentos, me trouxe junto. Estou ansioso para as competições, mas sei que temos que treinar mais um pouco para isso, embora sinta que estamos evoluindo”, destaca o jovem, referindo-se ao treinador José Luiz Luz, que tem mais de 20 anos de experiência no esporte. A SMEL recrutou o professor, junto à Secretaria da Educação, possibilitando a abertura de mais uma turma e a ampliação do Talentos.

Outro projeto que depende da união da SME e da SMEL para que seja bem executado é o CECA, as famosas Competições Escolares Canoenses. A 28° edição do evento superou o número de participantes de 2017, totalizando 7178 crianças, adolescentes e jovens. No ano passado, o CECA e o 
Cequinha registraram a participação de 6043 alunos, o que representa um aumento de 18%. Foram 41 dias de jogos em diferentes locais da cidade. A Ulbra, a Universidade La Salle e o Colégio Auxiliadora também cederam os seus ginásios para a realização de algumas competições. No total, 108 escolas enviaram os seus representantes. Só no CECA, foram mil jogos em nove categorias (atletismo, basquete, futebol, futsal, handebol, judô, skate, voleibol e xadrez). O Cequinha, adaptação do CECA para crianças, foi dividido em duas etapas: para iniciantes, de 5 a 7 anos, e os Jogos de Mini Esportes, para crianças entre 8 e 10 anos. Esse é o segundo ano da realização do Cequinha. No ano passado, 24 escolas inscreveram os alunos nas atividades. Este ano, a adesão foi ainda maior, na primeira etapa, participaram 707 crianças de 38 escolas e, nos mini jogos, 425 de 19 escolas.

Mais esporte

Neste ano, os Jogos Abertos de Canoas (JAC) chegaram na 37° edição, uma referência de competição esportiva para todo o Estado, juntamente com a 3° edição dos Jogos Paradesportivos de Canoas (Parajac). Realizado anualmente, o evento é aberto para toda a comunidade, com inscrição gratuita para maiores de 18 anos. Foram contempladas as modalidades de futsal, handebol, basquete, vôlei, além das novidades vôlei de praia e atletismo, que foram disputadas pela primeira vez. O Parajac contou com o goalball, atletismo, futebol de 5 para cegos e basquete em cadeira de rodas.

Lazer para todas as idades

O ano começou com uma iniciativa inédita da Prefeitura que agradou a garotada. A Colônia de Férias da SMEL reuniu centenas de crianças e adolescentes no período de férias, em duas edições: verão e inverno. Foram oferecidas atividades esportivas, recreativas e culturais em dois pontos da cidade, no Centro de Esporte e Lazer (CEL) Mathias Velho e no Centro Olímpico Municipal (COM), no Igara. Até mesmo um acantonamento foi realizado para tornar o período do recesso escolar mais atrativo. O sucesso das duas primeiras edições garantiu a permanência do projeto em 2019.

A terceira idade também foi contemplada com atividades de esporte e lazer. Com um total de 711 participantes, foram 11 dias de Jogos de Integração dos Idosos Canoenses (JIIDOS), com 12 modalidades esportivas e recreativas. Neste ano, as novidades foram a disputa de atletismo, futsal, torneio de canastra, show de talentos e a inauguração do xadrez gigante. O espírito solidário também foi uma marca dos jogos. Durante os dias de competição, foram arrecadados 9,5 mil materiais de higiene pessoal – entre fraldas, pasta de dente, sabonete e shampoo.

Entre outras ações, os canoenses puderam participar de atividades gratuitas de yoga, com a realização do Findi Zen, no Capão do Corvo, além das edições do Festival de Esporte e Lazer (FESLA), com inúmeras atrações para a população.

Caravana da cidadania

Por falar em serviços para a população, o Prefeitura Mais Perto chegou a sua 5° edição em 2018. Em novembro deste ano, retornou ao Guajuviras, desta vez na escola que leva o mesmo nome do bairro. No total, a EMEF Guajuviras recebeu investimentos na faixa de R$ 800 mil para melhorias na estrutura física. Foi realizada a pintura externa, a renovação da fachada, construção de caminho coberto entre as dependências, revisão elétrica interna, consertos, adequações e instalações hidráulicas, reconstrução das calçadas nas entradas da escola, reforma dos banheiros masculino e feminino e troca de portas e fechaduras. Nas quatro edições anteriores do projeto, a Prefeitura já havia garantido mais de R$ 1 milhão em melhorias nas EMEFs Professor Thiago Würth, Carlos Drummond de Andrade, Doutor Nelson Paim Terra e Pernambuco.

Mais estrutura para educação

Com relação a obras em escolas, a construção da Escola Municipal de Educação Infantil (EMEI) Mato Grande, paralisada desde 2015, já é realidade para a comunidade. A obra foi retomada em julho pela Prefeitura de Canoas, após um série de esforços da atual gestão. Outra escola que já tem avanços significativos é a EMEI Central Park. Também abandonado em 2015, o local já está recebendo os trabalhos de limpeza e remoção das antigas estruturas. As outras duas EMEIs que estão sendo construídas, nos bairros Niterói e Harmonia, também já estão recebendo trabalhos de limpeza e adequação do terreno. Juntas, as quatro novas escolas vão abrir cerca de 1,2 mil vagas na educação infantil do município. A iniciativa se aproxima de uma das prioridades da gestão atual, que é reduzir o déficit na Educação Infantil. Em dois anos, a Prefeitura conquistou um fato inédito na história de Canoas: zerou a fila para vagas em pré-escola, que são para alunos de 4 e 5 anos. Ou seja, todas as  crianças com essa idade, inscritas para vagas em escolas infantis, estão frequentando a escola.

Valorização do trabalho

Em 2018, a EMEF Erna Würth, no bairro Guajuviras, recebeu o selo da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciências e Cultura (Unesco) como unidade associada à organização internacional, sendo a primeira da rede pública de Canoas a conquistar o título. Isso graças a um projeto de Educação de Jovens e Adultos (EJA) na modalidade semipresencial, desenvolvido na escola desde 2017. A EMEF também oferece aulas de flauta e de xadrez, atividades que contribuíram para a conquista.

Iniciativas das escolas municipais de ensino fundamental (EMEFs) de Canoas Nancy Pansera e Vitória também foram reconhecidas a nível nacional. As duas foram destaques no Prêmio Professores do Brasil. A premiação do Ministério da Educação, juntamente com instituições parceiras, busca reconhecer, divulgar e premiar o trabalho de professores de escolas públicas que contribuem para a melhoria dos processos de ensino e aprendizagem, desenvolvidos nas salas de aula.

Na escola Nancy Pansera, o projeto de empoderamento de crianças negras através da leitura recebeu o reconhecimento do Ministério. Já na EMEF Vitória, o Soletrando com as Mãos foi o destaque. A escola é bilíngue, com foco no ensino de Libras e língua portuguesa. O projeto acontece em três etapas durante o ano letivo, onde o desempenho do aluno e da turma é vinculado à nota final do trimestre. São sorteadas palavras e cada aluno tem um determinado tempo para soletrá-la, mas através da Libras. O sucesso da iniciativa só foi possível graças ao empenho das professoras. A diretora da escola, Lucimeri Piachinski, destaca que a iniciativa surgiu na hora certa. “A escola sentiu necessidade de trabalhar com os alunos a língua portuguesa de maneira diferenciada, pois é uma língua muito difícil para o surdo. Assim que colocamos em prática a ideia, percebemos imediatamente a grande aceitação e a importância do projeto”.

Durante o ano, muitos outros projetos e iniciativas de professores e alunos da rede pública municipal foram premiados e destacados. São essas ações que agregam qualidade e excelência ao ensino de Canoas.

Mais cultura para a população

Em 2018, foram muitas as atividades realizadas pela Secretaria Municipal da Cultura e do Turismo (SMCT). Oficinas, apresentações artísticas, exposições e muitas outras manifestações marcaram presença nos quatro quadrantes do município. Ainda com o objetivo de descentralizar a cultura, ações como o Prefeitura Tá na Área movimentaram as comunidades canoenses em regiões dos bairros Rio Branco, Mathias Velho e Guajuviras. A força-tarefa envolveu diversas secretarias para uma completa revitalização da área.

Os tradicionais eventos de Canoas passaram por melhorias e receberam mais atenção do poder público. Em fevereiro, a 9° Parada Livre de Canoas reuniu 25 mil pessoas no Parque Eduardo Gomes, em um domingo para celebrar a diversidade, militar contra o preconceito e lutar pelo amor. Foram 12 horas de inúmeras atrações e encerramento com o show da cantora Ludmilla. Em março, o Carnaval, que sagrou como campeã a Associação Recreativa Cultural e Carnavalesca Nenê da Harmonia, teve, em nove horas de evento, 1580 pessoas desfilando pela avenida Victor Barreto.

Cerca de 20 mil pessoas passaram pelo parque Eduardo Gomes, no fim de abril, para acompanhar o 1° Dia da Família Cristã. No dia seguinte, mais 20 mil pessoas curtiram cerca de cinco horas de shows da 1ª Domingueira Gaudéria. Os dois eventos aproveitaram a estrutura montada para a Festa do Trabalhador para levar mais entretenimento à população. E, por falar em estrutura, a edição desse ano da maior Festa do Trabalhador do Rio Grande do Sul reuniu 50 mil pessoas no Parcão, com 14 horas de uma programação diversificada, que contou com mais de 70 ações gratuitas para todas as idades. A festa encerrou com chave de ouro com a apresentação do cantor Bochecha e do Grupo Molejo.

Entre os dias 23 de junho e 7 de julho, mais de 60 mil pessoas circularam pela estrutura montada na Praça da Bandeira para a realização da 34° edição da Feira do Livro de Canoas. Foram muitos agendamentos de escolas para visitação, além da programação cultural, com a presença de 
inúmeros artistas e escritores, que atraiu os mais variados públicos. Em setembro, durante oito dias, a 26ª Semana Farroupilha de Canoas proporcionou diferentes atividades que demonstraram a beleza das tradições gaúchas. A média de público se manteve a mesma da edição do ano passado, com cerca de 10 mil visitantes por dia no acampamento do Parque Eduardo Gomes, totalizando um público de 80 mil pessoas. Entre piquetes e CTGs, foram 72 participantes na edição deste ano. Dezenas de shows musicais, apresentações artísticas, atividades folclóricas, provas campeiras e muita diversão movimentaram o parque durante todos os dias de evento. No palco principal, nomes consagrados da música tradicionalista colocaram a gauchada para bailar. Gaúcho da Fronteira, Elton Saldanha, Eco do Minuano e Bonitinho, Dante Ramon Ledesma e Tchê Guri foram algumas das atrações desta edição da Semana Farroupilha. O secretário da Cultura e do Turismo, Mauri Grando, ressaltou o fomento das tradições gaúchas no município: “Canoas é uma cidade que respira o tradicionalismo ao longo de todo ano, com atividades artísticas e campeiras, principalmente do Parque Eduardo Gomes. A Semana Farroupilha se consolida, mais uma vez, como uma atração turística da cidade, com atividades que contemplam os mais variados públicos”.

Canoas é mesmo um dos pilares do tradicionalismo gaúcho. Em outubro, ocorreu a 5ª edição do Festival Gaúcho de Danças (Fegadan) e o 4º Festival Gaúcho de Chula (Fegachula). Seis mil pessoas de fora da cidade circularam pelo Centro Olímpico Municipal (COM); Só de dançarinos, foram 2 mil 
participantes de 60 CTGs. Em paralelo à competição, também foram promovidos o XVII Acampamento da Juventude e o XXVIII Tchêncontro.

A Semana da Dança 2018, em abril, ofereceu mais de 20 atrações gratuitas que levaram a cultura da dança para a cidade. Entre elas, intervenções nas estações de trem, dança em escolas, mostras de dança, painel de formação e workshop para profissionais da dança. A 8° edição do Canoas Jazz, em novembro, também teve shows gratuitos nas estações de trem e encerrou com um show memorável de João Bosco, no Centro de Eventos do ParkShopping Canoas.

2018 foi um ano com muitas atividades, que levou cultura para todos os cantos da cidade, com atrações para todos os gostos e idades. A descentralização cultural segue sendo um dos maiores objetivos da administração, com foco em todos os públicos e quadrantes do município, sempre valorizando artistas locais e levando em consideração o orçamento adequado para o momento econômico de Canoas.

Com 3 mil atendimentos e 90 mil roupas doadas, Defesa Civil fecha o ano com ações inéditas

Eficiência e solidariedade: essas são as duas palavras que podem definir o trabalho da Defesa Civil em 2018. Ao longo do ano, foram realizados 3,2 mil atendimentos a pessoas com necessidade, foi feita a doação de mais de 90 mil peças de roupa, além de 2.455 kg de alimentos, destinados para 420 famílias.

Um dos principais projetos da secretaria especial, o Ajudar Não Tem Hora, continuou recolhendo roupas e mantimentos durante o ano inteiro, uma força-tarefa que tem a finalidade de repassar os materiais às pessoas carentes. Diferente de outros municípios, Canoas é a única cidade que possui campanha permanente de doações. Em geral, são realizadas Campanhas do Agasalho, que variam entre os meses de maio e agosto. Em Canoas, o chamamento público à solidariedade é feito nos 365 dias do ano. Assim, o Poder Público reforça os elos com as comunidades e contribui para o desenvolvimento social.

As doações arrecadadas dão origem a um outro projeto, chamado de Volantes da Defesa Civil. Ao longo do ano, a equipe da secretaria especial realiza ações de doações de roupas, agasalhos, calçados e cobertores nas comunidades de Canoas de forma itinerante, uma em cada quadrante do município. Em geral, a equipe da Defesa Civil desloca os veículos para as proximidades dos locais e promove uma espécie de “feirão” gratuito de mantimentos.

O trabalho de prevenção à incêndio também foi um dos núcleos de atuação da equipe. Por meio do projeto Defesa Civil nas Escolas, 40 Escolas Municipais de Educação Infantil (EMEIs) e 44 Escolas de Ensino Fundamental (EMEFs) realizaram a simulação de ocorrência de incêndio. O trabalho envolveu a participação de cerca de 37 mil estudantes da rede municipal. No Rio Grande do Sul, o projeto da Defesa Civil de Canoas é o único que treina todas as instituições de ensino da cidade.

“Há três anos, a Prefeitura não realizava este trabalho em 100% das escolas municipais. O projeto da Defesa Civil tem a finalidade de implantar métodos de ação em casos de algum tipo de sinistro. Com a preparação adequada dos docentes e discentes, ficamos preparados para agir em caso de alguma tragédia”, explica o secretário especial da Defesa Civil, Rodolfo Pacheco.

Após a paralisação, projeto de simulação de incêndio nas escolas foi reativado em 2017 pela Prefeitura de Canoas. Para 2019, a intenção da Defesa Civil é ampliar o leque de instituições de ensino atingidas. De acordo com Pacheco, as escolas estaduais e particulares podem integrar a lista de locais de ensino contemplados pelo programa de prevenção.

Reforço da frota

No fim deste ano, um caminhão e um barco passaram a reforçar a frota de veículos da Defesa Civil de Canoas. Os dois meios de transporte foram recuperados e adesivados com identidade visual da Defesa Civil, e já estão em uso pela equipe da Prefeitura.

Para voltarem a funcionar, ambos os veículos estavam precisando de alguns reparos pontuais. Conforme Pacheco, a Defesa Civil tomou a iniciativa de recuperá-los para fortalecer a execução das ações da nossa equipe.

Com motor de 145 CV, o caminhão da Mercedes-Benz será utilizado para transportar as doações de materiais que são entregues semanalmente às famílias em vulnerabilidade social. O veículo também servirá para rebocar o barco para os locais eventualmente atingidos por enchente.

O barco recuperado será utilizado principalmente em ações de resgates em áreas alagamentos no meio urbano, o que não era possível ser feito com a lancha por conta do seu tamanho.

 

Ação preventiva

Como de praxe, também ocorreu neste ano o Plano de Auxílio Mútuo (PAM), organizado pela Defesa Civil de Canoas. A ação foi em novembro, na rua Antônio Frederico Ozanan, em frente da Transportadora Bessega & Marson.

O PAM envolve a participação da Defesa Civil, equipe de Trânsito, Guarda Municipal, Corpo de Bombeiros, Brigada Militar e brigadas de incêndio de empresas em uma ação que simula o acidente entre uma caminhão tanque, que transportava 20 toneladas de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), com um veículo leve. Após a colisão, a equipe coloca em prática todos os métodos de emergência para solucionar a ocorrência o mais rápido possível.

“O objetivo dessa simulação é afinar a participação de cada segmento de segurança em um acidente deste tamanho. Como Canoas é sede de uma refinaria da Petrobras, de engarrafadora de gás e empresas de periculosidade, a cidade está sujeita a eventos como esse”, explica o secretário especial da Defesa Civil, Rodolfo Pacheco.