Coleta Seletiva

Coleta de materiais que podem ser reciclados e que devem ser separados previamente nas residências.

O QUE É COLETA SELETIVA?

A Coleta Seletiva é o processo de recolhimento dos resíduos recicláveis descartados.

Na coleta seletiva, os materiais que podem ser reciclados devem ser separados previamente na fonte geradora, ou seja, nas residências.

No caso da coleta seletiva de resíduos secos recicláveis (ex: papéis, plástico, etc), estes devem ser separados dos resíduos orgânicos (restos de carne, frutas, verduras e outros alimentos).

Este procedimento de separação correta na fonte geradora é muito importante para evitar a contaminação dos materiais reaproveitáveis, favorecendo o seu retorno ao ciclo produtivo e diminuindo os custos de reciclagem.

A Coleta Seletiva está prevista nas leis federal (12305/2010) e municipal (5485/2010).

O QUE DESCARTAR NA COLETA SELETIVA:

Plásticos em geral: copos, garrafas, sacos/sacolas, embalagens pet (refrigerantes, óleo, vinagre), canos e tubos de PVC e embalagens de produtos de limpeza.

Papel e papelão: jornais e revistas, folhas de papel, cartolinas e papel cartão, rascunhos. Importante: não amasse nem molhe os papéis.

Vidros: embalagens de vidro em geral (garrafas, copos, frascos de remédios vazios). Lembre-se de embrulhar bem os vidros quebrados para evitar acidentes.

Metais, alumínio e aço: panelas, torneiras, latas de refrigerante, cerveja (livres de resíduos contaminantes e tóxicos), ferragens, chapas, cobre, embalagem de marmitex (sem resíduos orgânicos) e enlatados.

Sucatas: de ferro, cobre e arame.

Embalagens de Tetra Pack: embalagens de suco, leite e iogurte.

Óleo de cozinha: devidamente acondicionado em garrafas pet, bem fechadas.

Embalagens de isopor: sem resíduos orgânicos (bandejas de carne e frios).

COMO DESCARTAR

Aproveite o máximo do conteúdo das embalagens, assim você evita o desperdício.

Passe apenas um pouquinho de água nas embalagens antes de descartar: com isto você ajuda a evitar insetos indesejáveis em sua casa, nas lixeiras e nas cooperativas. Também garante mais valor aos resíduos na hora da comercialização, ajudando na renda dos catadores.

Embale todos os materiais cortantes, com cuidado, evitando acidentes durante o descarte, coleta e triagem. Dica: corte uma garrafa PET ou uma caixa TETRA PACK, coloque o vidro ou outro material cortante dentro e lacre. Assim o conteúdo ficará protegido e evitará acidentes.

Os papéis devem estar secos, MAS EVITE AMASSÁ-LOS POIS ELES PERDEM VALOR COMERCIAL.

Não misture os resíduos da coleta seletiva com resíduos da coleta convencional.

Acomode os resíduos seletivos em sacos plásticos;

Veja o dia da coleta em seu bairro e entregue seu resíduo seletivo para os caminhões IDENTIFICADOS DA COLETA SELETIVA.

Informe a secretaria do Meio Ambiente sobre qualquer irregularidade.

ONDE E QUANDO DESCARTAR

HORÁRIO DA COLETA:

Para melhor atendê-los a coleta será a partir das 7:30.

DIAS E ROTEIROS:

CENTRO (Sem contêiner) – SEGUNDA de manhã

ESTANCIA VELHA – SEGUNDA manhã e tarde

FÁTIMA – SÁBADO manhã

GUAJUVIRAS – SEXTA manhã e tarde

HARMONIA – QUINTA manhã e tarde

IGARA – QUARTA tarde

MARECHAL RONDON – TERÇA manhã

MATHIAS VELHO – TERÇA manhã e tarde

MATO GRANDE e ALA 3 – SEGUNDA tarde

N.S. GRAÇAS – QUINTA manhã e tarde

N.S. GRAÇAS – SÁBADO manhã

NITERÓI – QUARTA manhã e tarde

NITERÓI – SEXTA manhã e tarde

OLARIA – QUARTA manhã

RIO BRANCO – SÁBADO manhã

SÃO JOSÉ – TERÇA tarde

SÃO JOSÉ – SEXTA manhã e tarde

SÃO LUIS – SEGUNDA manhã

 

TELEFONES PARA CONTATO:

SMMA/ Diretoria de Resíduos e Coleta Seletiva : 3465.6811 (sac.coleta@canoas.rs.gov.br)

QUAIS OS BENEFÍCIOS DA COLETA SELETIVA?

Todos nos beneficiamos com a coleta seletiva e a reciclagem dos resíduos. Através destes processos qualificamos nossa relação com o meio ambiente e, consequentemente, nossa qualidade de vida.

A coleta e a reciclagem de resíduos propiciam:

Economia de energia;

Preservação dos recursos naturais;

Diminuição da quantidade de lixo a ser enterrado;

Diminuição dos impactos ambientais;

Redução dos custos de matérias-primas industriais;

Promoção do desenvolvimento de uma consciência ambiental nas populações.

Através da coleta seletiva, o que seria “lixo”, por meio da reciclagem, irá transformar-se em novo produto. Veja alguns exemplos:

PAPEL:

– Uma tonelada de aparas de papel pode substituir de 2 a 4 metros cúbicos de madeira, o que evita a derrubada de 15 a 30 árvores;

– Na fabricação de uma tonelada de papel reciclado são necessários apenas 2.000 litros de água, ao passo que, no processo tradicional, este volume pode chegar a 100.000 litros por tonelada;

– Em média, na produção de papel reciclado, pode-se chegar a 80% de economia de energia.

ALUMÍNIO:

– A cada quilo de alumínio reciclado, cinco quilos de bauxita (minério de onde se produz o alumínio) são poupados;

– Para se reciclar uma tonelada de alumínio, gasta-se 5% da energia que seria necessária para se produzir a mesma quantidade de alumínio primário, ou seja, neste caso a reciclagem proporciona uma economia de 95% de energia elétrica;

– De acordo com a Associação Brasileira do Alumínio (ABAL), as latas recicladas são transformadas em novas latas, com grande economia de matéria-prima e energia elétrica.

GARRAFAS PET:

– Com garrafas pet podem ser produzidos diversos materiais como estofamentos, carpetes, enchimento para sofás, cadeiras, travesseiros, cobertores, tapetes, cortinas, lonas para toldos e barracas, roupas esportivas, entre tantos outros materiais.

VIDRO:

– O vidro é infinitamente reciclável. Todos os recipientes de vidro, depois de usados e mesmo que estejam quebrados, podem ser reciclados.

GERAÇÃO DE RENDA E INCLUSÃO SOCIAL:

Estudo do IPEA de 2012 estima que no Brasil existam de 400 a 600 mil pessoas que vivem da catação de resíduos e mais de 700 cooperativas de catadores. Estes trabalhadores são o motor principal da indústria da reciclagem que, por sua vez, gera também milhares de postos de trabalho no território nacional.

QUEM FAZ A COLETA SELETIVA EM NOSSA CIDADE

Em 2010, a lei 5485/10, em sintonia com a legislação federal (lei 12305/10), instituiu o serviço público de coleta de resíduos recicláveis. Esta lei, entre outros objetivos, buscou “reconhecer as cooperativas ou associações populares de coleta seletiva como agentes ambientais da limpeza urbana”.

O serviço de coleta seletiva é realizado por 4 Cooperativas de Recicladores. Abaixo segue um pequeno histórico de cada uma destas cooperativas.

Cooperativa Amigos e Amigas Solidárias (Cooarlas):

Esta cooperativa nasceu de uma associação de mulheres – Associação de Reciclagem de Lixo Amigas Solidárias, criada em 1999. A cooperativa possui mais de 30 cooperados e está situada no bairro Guajuviras.

Cooperativa de Catadores de Material Reciclável de Canoas (Coopcamate):

A Coopcamate originou-se da Associação de Carroceiros e Catadores de Material Reciclável de Canoas, criada em 1983, que reunia carroceiros e catadores informais. A cooperativa está situada no bairro Mathias Velho e tem mais de 20 cooperados.

Cooperativa de Reciclagem – União Faz a Força (Coopermag):

Esta cooperativa originou-se da Associação de Triagem e Reciclagem Mato Grande, constituída em 2002, por um grupo de mulheres. A cooperativa está situada no bairro Mato Grande e possui mais de 20 cooperados.

Cooperativa Renascer:

A Renascer originou-se do grupo mais antigo de catadores existente no município. Já 1976 integrantes da cooperativa atual catavam no antigo lixão da cidade, no aterro da Fazenda Guajuviras. A Renascer é constituída atualmente por quase 30 cooperados.

Cooperativa Mãos Dadas:

Além das 04 cooperativas que prestam serviço para a Coleta, a Cooperativa Mãos Dadas participa da triagem dos resíduos que recebe, solidariamente, das demais cooperativas. A cooperativa Mãos Dadas originou-se do assentamento das obras da rodovia 448, e está localizada no Loteamento Prata.

A triagem dos resíduos nestas cinco cooperativas beneficia diretamente mais de 500 pessoas.

COMO ORGANIZAR A COLETA SELETIVA EM MEU CONDOMÍNIO?

Para que a coleta seletiva ocorra em um condomínio residencial é necessário seguir o seguinte regramento:

1 – O condomínio deve colocar à disposição de seus moradores contêineres para resíduos recicláveis, devidamente identificados;

2 – O condomínio deve orientar os moradores para que realizem corretamente a separação, evitando assim a mistura indevida de resíduo reciclável com resíduo orgânico. É importante observar que, havendo mistura de resíduos, as cooperativas não realizarão a coleta, pois os resíduos misturados se tornam rejeitos e não podem ser aproveitados.

3 – O contêiner de resíduo reciclável deve ser colocado em local de fácil acesso e manuseio pelos coletores, evitando assim a demora no recolhimento, respeitando o dia e o horário determinado para coleta;

4 – O condomínio deve ter uma pessoa responsável para acompanhar o recolhimento do resíduo.

Após atender as solicitações do regramento, o condomínio deve solicitar à Diretoria de Resíduos e Coleta Seletiva (DRSC) da SMMA a sua inclusão no roteiro através do email sac.coleta@canoas.rs.gov.br.

A DRSC agendará uma visita técnica para vistoriar o local e autorizar o início da operação de coleta.